Patrícia Vasconcelos, assistente social do Sport Club Internacional

Por   | 

A assistente social do Sport Club Internacional, Patrícia Vasconcelos, compartilhou sua história com o Quero ser Jogador.

– Sou colorada, é claro. Meu pai me ensinou a ser colorada desde que eu nasci. Mas, não sabia que existia serviço social num clube de futebol. Não sabia que existia assistente social num clube de futebol.

– Na faculdade, a gente recebe as cartinhas para ir fazer os estágios. Eu recebi duas, uma para uma ONG e a outra para aqui para o clube. Na ONG eu tentei várias vezes fazer a entrevista, e por algum motivo a pessoa não podia, ou eu não podia. E, aqui no Inter precisava com urgência, já ia começar. Ai então eu vim para cá, fiz a entrevista, e a assistente social gostou de mim e comecei.

Patrícia admite que não entendia muito de futebol, se questiona o que iria fazer ali. Foi.

– Eu ví que era para atender uma categoria, a categoria 94. Comecei a trabalhar com os meninos, as relações entre eles, grupo. A gente fazia trabalho em grupo no vestiário com os meninos, a gente fazia trabalho em grupo com as famílias. Começamos a trabalhar as relações sociais entre eles.

– Tudo. A entrada. O acolhimento do atleta, da família. Autorização para os atletas ficaram no alojamento. Matrícula na escola, reunião de pais, de 80 meninos.

Patrícia foi trabalhando, trabalhando a categoria de base. Cuidava, o menino ficava doente levava no médico, estava com algum problema conversavam, encaminhava para a psicóloga, encaminhava para outro profissional.

– Um atleta ficava doente, às vezes, ele tinha vergonha de falar com o médico, vinha na assistente social, a gente conversava, daí ia com ele no médico. Estava com problema de peso, a gente levava para a nutricionista. A gente ficava meio que uma central dos atletas.

Sobre o trabalho no profissional, Patrícia garante que é muito, muito legal e completa que é diferente.

– Como eu fiquei muito tempo na categoria de base, muitos atletas da categoria de base estão aqui hoje no profissional. E, muitos saíram para ir jogar em outros clubes e daqui a pouco voltam aqui para o Inter, profissional. Muito legal. Muito legal ver este retorno.

– E, eu fiquei como uma referência. Quando eles me enxergam aqui, “Pati tu está aqui…” muito legal. Eu adoro.

Você reconhece a importância de um assistente social no futebol?

Assista ao vídeo:

A/C: Pai de jogador de futebol, clique aqui.

O apoio das famílias nas categorias de base, clique aqui.

O blog de quem quer ser jogador. Compartilhe.