O lado do jogador de futebol, por Patrícia Vasconcelos

Por   | 

Patrícia Vasconcelos, assistente social do Sport Club Internacional compartilhou com o Quero ser Jogador uma reflexão sobre o lado do jogador de futebol.

 – Quando eu era das categorias de base, as pessoas me perguntavam.. “Ah, primeiro salário compraram um carro/ o atleta comprou um carro?” Eu disse imagina quanto ele não ralou nesta vida e ficou olhando para as outras pessoas que tinham este carro e queriam tanto este carro. E, ele tem dinheiro para comprar este carro. Por que ele não vai comprar este carro? Por que as pessoas vão falar?

– Ai tu diz assim “ah, o atleta tal fechou o clube tal para fazer uma festa de aniversário…” Quantos anos da vida dele ele não pode fazer uma festa de aniversário porque ele estava em concentração, ou porque ele estava jogando, ou porque estava treinando. Quantas festas de aniversário ele não foi dele e da família dele. Entende.

– Então, assim, os atletas vão engolindo algumas partes da vida, que quando eles conseguem atingir um ponto, que eles conseguem ter as coisas que eles queriam ter, às vezes/ talvez alguns extrapolam na nossa visão (de pobres mortais).

– a gente diz, “meu Deus, mas pra que este carro”. Bom, desde criança, ele brincava com um carrinho de plástico, sem uma roda lá, querendo ter aquele carro, e hoje ele pode ter, por que não vai ter? Né… Então, eu entendo a parte deles.

– Eu entendo que hoje o atleta quando tem um filho e tem que fazer a festinha de um aninho, e ele consegue estar junto neste dia da festinha de um ano do filho e juntar a família, é um festão. Por que? É a festa que ele sempre quis ter, sempre quis. E, por que? Talvez se eu tivesse condições eu também faria para o meu filho.

Você tem algum sonho à realizar como jogador de futebol?

Assista ao vídeo:

Para saber mais sobre o assunto família nas categorias de base, clique aqui.

Para conhecer mais sobre o serviço social no Inter, clique aqui.

O blog de quem quer ser jogador. Compartilhe.