Apoio da família nas categorias de base

Por   | 

Patrícia Vasconcelos, assistente social do Sport Club Internacional, comentou a importância da família para um jogador de futebol nas categorias de base.

– Assunto familia: na categoria de base, tem várias histórias que os pais podem se identificar. Tem histórias de meninos que a família trazia, o pai – a vontade era tão grande de ser jogador e não foi, que ele deixava o menino (14 anos), deixava o menino na recepção, “óh tá aqui” “tchau meu filho”, dava um beijo e virava as costas e saia.

– Daí tu estava ali fazendo a fichinha dele, inicial né, os pais assinavam a autorização, tudo direitinho. Aí quando tu olhava, o menino chorando. Aí tu perguntava, o que foi? Daí o menino chorando – “ah, eu não queria, queria ficar perto do meu pai, da minha mãe”. Daí tu (pensa): chama o pai então. Ligava para o pai, “pai vem buscar” – “Não. Ele tem que aprender que se ele quer ele tem que sofrer”.

Patrícia questiona, e trabalhar isso?

– Daí tu ia conversando com o menino, e claro, ele ia se familiarizando, ia vendo que era um lugar legal, que tinha amigos, que jogava futebol, etc. Daí melhorava. Só que para mim que sou mãe, meu Deus. Como é que tu vai fazer isso. Mas, é a cabeça do pai que ele tem que ir pronto.

– Por outro lado, eu entendo que a carreira do jogador de futebol é difícil. A gente que está aqui, deste lado, a gente sabe que é difícil. Que, eles tem que se abdicar de muitas coisas. Que eles queimam sim algumas etapas. Mas, porque é um sonho que eles querem ser jogadores de futebol. Isso é a alegria da vida deles. Se tu tirar isso deles, vai faltar um pedaço igual. Vai faltar aquele pedaço de ser jogador.

Patrícia Vasconcelos explica que se tu quer ser jogador de futebol, existe uma cartilha.

– Tu tá preparado:

  • morar em um alojamento;
  • ter jogo sábado;
  • acordar cedo para estudar; – tem que estudar, não é porque está aqui para jogar futebol que tu não vai estudar.
  • tem que estudar;
  • tem que jogar futebol;
  • tem que dormir cedo;
  • tem que ter uma alimentação saudável;
  • tuas férias são nestes dias;

– Ah, porque as férias dos meus colegas, de julho, que vão para praia. Não. A gente fazia reunião com os pais, e eles reclamavam. “Meu filho não está tendo uma vida com os coleguinhas do colégio, porque eles vão para a praia juntos, finais de semana, vão sexta e voltam no domingo. Bom, quer ser jogador de futebol profissional, as regras são essas. Então tira ele do futebol.

– Ele quer ser um jogador de futebol? O menino estava certo com o que ele queria, e às vezes os pais e as mães não. Então, às vezes, dá um conflito de informações, de objetivos.

Sua família apoia-o?

Assista ao vídeo:

Para conhecer mais sobre o serviço social no Inter, clique aqui.

O blog de quem quer ser jogador. Compartilhe.